Criei este guia pensando nos alunos que sempre me perguntam qual flash dedicado comprar. Simplifiquei alguns termos para facilitar o entendimento. Lembrando que este post não tem a intenção de ser um guia definitivo. Existem muitos modelos no mercado, e para todos os bolsos. Vamos lá…

 

Algumas considerações sobre flash dedicado e tochas de estúdio:

  • Um flash dedicado é como se fosse uma pequena tocha de estúdio. O princípio de funcionamento é o mesmo;
  • De um modo geral, uma tocha é um flash com alta potência e de construção robusta, mas sem muita sofisticação. Um flash dedicado costuma ser mais sofisticado, com mais recursos, porém é relativamente mais fraco e sua construção é mais frágil. (Algumas tochas mais modernas estão incorporando recursos típicos de um flash dedicado, mas a um preço mais alto);
  • Ao contrário das tochas de estúdio, o flash dedicado é bem portátil e se acopla diretamente à sua câmera. Portanto é o mais indicado para usar em eventos, mas nada impede que você possa usa-lo em outras situações. A palavra-chave aqui é portabilidade;
  • É perfeitamente possível usar um flash dedicado e uma tocha de estúdio ao mesmo tempo. Sendo assim, você pode considerar um flash dedicado como “a sua primeira tocha”;
  • Sempre que possível, recomenda-se comprar um flash da mesma marca da sua câmera, mas há no mercado outras marcas que podem ser consideradas.

 

Quais recursos são realmente importantes num flash dedicado?

  • É importante que o seu flash tenha os modos Manual e TTL – de preferência que sejam fáceis de ajustar, e sem precisar entrar em menus para isso;
  • Se você pretende trabalhar com fotografia de eventos, é altamente desejável que o seu flash tenha fotometria TTL. (Isso não impede que você fotografe apenas no modo manual, como uma tocha);
  • Outro recurso desejável é o disparo com sincronismo de alta velocidade (high-sync), mas observe que este recurso pode não estar acessível em alguns modelos de câmera ou flash;
  • A tendência atual é que os aparelhos incorporem comunicação por rádio para o disparo remoto, além de foto-célula;
  • Só faz sentido considerar um flash dedicado com rádio se você pretende trabalhar com mais de um flash dedicado ao mesmo tempo. (Faça uma busca no flickr pelo termo strobist);
  • Se o seu flash não tem rádio embutido, você pode comprar um disparador por rádio depois (manual ou TTL);
  • Observe a diferença entre disparo remoto e controle remoto. Um radio-flash simples apenas dispara um flash remotamente. Um controle remoto permite ajustar a intensidade de um segundo flash à distância;
  • Em certos modelos, também é possível disparar (e controlar) um flash dedicado remotamente por foto-célula;
  • Em geral, os fabricantes disponibilizam duas versões de flash: um mais completo e mais potente e outro mais simples, com menos recursos, além de menor e mais barato.  Por exemplo: as gerações atuais estão vindo com os recursos de “mestre” e “escravo” nos dois modelos. Nas versões anteriores, somente os modelos mais caros tinham a opção “mestre” (o tal “controle remoto”);
  • Todos estes sistemas são “dedicados” para cada fabricante, portanto, o sistema Nikon só funciona para a Nikon, o sistema Canon só funciona com Canon, etc.
  • Os flashes de outros fabricantes, como Godox e YongNuo, conseguem operar dentro dos sistemas Canon, Nikon, (e em alguns casos Sony e Fujifilm), mas pode haver algumas discrepâncias no funcionamento com relação ao esperado.

As tabelas abaixo não consituem um guia definitivo. Aliás, já requerem algumas atualizações! Apenas marcando alguns tópicos que considero importantes em qualquer flash. Nelas você encontrará alguns dos modelos mais comuns no mercado brasileiro.

tabela 1 principais recursos de um flash dedicado - strobist - speedlite - speedlight

tabela 2 cameras - principais recursos de câmeras relacionados com flash - strobist - speedlite - speedlight

 

 Acessórios

Lembre-se que o flash não faz tudo sozinho, ele é apenas parte da solução. É quase garantido que você irá precisar de outros apetrechos. Já postei sobre alguns desses acessórios em outras ocasiões. Veja um pouco mais aqui e aqui.

 

Consulte outras fontes!

Considere dar uma olhada também nos sites Flashhavoc e Lightingrumors. Eles se dedicam a acompanhar os lançamentos do mercado de equipamentos de iluminação, seja flash compacto ou mesmo tochas de estúdio.

Acompanhe também os blogs do Joe McNally, Dave Black, Syl Arena e David Hobby – este último foi quem popularizou o termo “strobist“. Sempre tem muita coisa bacana para aprender com esses caras.

 

Por último, não custa lembrar, eu mesmo, nem sempre uso flash. Você pode conferir um pouco do meu portfólio para ter uma idéia. Há os momentos em que eu prefiro apenas a luz ambiente. Há também aqueles em que eu uso apenas luz contínua. Ou um pouco de tudo. Pense no flash como mais uma ferramenta. Uma luz portátil e disponível.

 

Posted by Yuri Pimenta

Leave a reply